Atendimento: (11) 5539-4337 / 3586-0355

Pensando Inovação

O momento da chegada de um novo ano traz várias reflexões, principalmente relacionadas aos nossos planos, nossas metas, nossos desafios, inclusive profissionais.

Para ajudar nesse processo criativo, desafiamos seu pensamento: o que eu sei sobre inovação? Para ajudar os nossos leitores, vamos dar algumas dicas, para este assunto.

Afinal, não podemos fazer tudo igual e esperarmos resultados diferentes. Infelizmente, expressões como – “em time que está ganhando não se mexe”, não devem e nem podem fazer mais parte do vocabulário quando pensamos como líderes.

A palavra é derivada do termo latino innovatio, e se refere a uma ideia, método ou objeto que é criado e que pouco se parece com padrões anteriores.

Inovação é a ação ou o ato de inovar, é modificar antigos costumes, manias, legislações, processos. É o efeito de renovação ou criação de uma novidade.

O conceito de inovação é utilizado em vários contextos, mas objetivamos apenas o olhar para o contexto empresarial. Neste sentido, o ato de inovar significa a necessidade de criar caminhos ou estratégias diferentes, aos habituais meios, para atingir objetivos. Inovar é inventar algo que tenha valor: sejam ideias, processos, ferramentas ou serviços.

Para um aprofundamento maior, nossa fonte de pesquisa, explica:

A ideia de inovação, não deve ficar limitada apenas à invenção de novos produtos, serviços ou tecnologias, mas principalmente pensar diretamente no valor ou conceito de determinada coisa, estratégia, processo, ferramentas e serviços, como o modo de organizar uma empresa, a forma como atendemos nossos clientes, por exemplo.

A inovação tanto pode ocorrer por meio de uma ação perfeitamente planejada ou por simples acaso. Entretanto, poucas inovações brotam do acaso. A maior parte das inovações, em especial as mais bem-sucedidas, resultam de uma busca consciente e intencional de oportunidades para inovar, dentro e fora da empresa. Tipicamente, as inovações podem acontecer pela ocorrência, conjunta ou isolada, de oito principais situações:

  • em consequência de factos inesperados;
  • por incongruências;
  • por necessidade;
  • por mudanças na indústria ou no mercado;
  • mudanças demográficas;
  • mudanças de percepção;
  • novos conhecimentos;
  • imposições legais ou regulamentares.

A inovação é fundamental, pois através dela as empresas tornam-se capazes de gerar riqueza contínua e, assim manterem-se e tornarem-se competitivas nos seus mercados.

Para que se crie um ambiente corporativo propício à geração de inovação é necessário que os líderes das empresas promovam a inovação – que é um processo, através de idéias – que são possibilidades e utilizem a maior capacidade possível – que são as habilidades e conhecimentos adquiridos pelos líderes e colaboradores, afirma Regina Macedo, da consultoria People4UP, consultora de inovação na Moltrio.

A melhor forma praticar a inovação é trabalhar para que os conceitos e estratégias de inovação sejam assimilados por todos os colaboradores, clientes e fornecedores. Isso, provavelmente, provocará a “contaminação” da cultura organizacional pelo “vírus” da inovação.

A inovação numa empresa, passível de gerar ou aumentar a competitividade possui alguns níveis:

  • produtos e serviços: desenvolvimento e comercialização de produtos ou serviços novos;
  • processos: desenvolvimento de novos meios de fabricação ou de novas formas de prestação de serviços;
  • negócios: desenvolvimento de novos negócios que forneçam vantagem competitiva e sustentável;
  • gestão: desenvolvimento de novas estruturas de poder e liderança.

A inovação pode ocorrer em todo e qualquer ponto da empresa. Não é apenas fazer coisas diferentes, mas também, fazer as mesmas coisas de formas diferentes, criando, novos potenciais de satisfação.

A inovação pode ser classificada em dois grandes grupos, de acordo com estudiosos da Administração moderna:

 

Inovação Radical ou de Ruptura

Este tipo de Inovação caracteriza-se pela incessante busca de ruptura e quebra de paradigmas. Tipicamente, os princípios que regem a inovação de ruptura são os seguintes:

  • As empresas dependem de clientes e investidores para obter recursos;
  • Pequenos mercados não resolvem as necessidades de crescimento de grandes empresas;
  • Mercados que não existem não podem ser analisados;
  • Fornecimento de tecnologia pode não se igualar à procura do mercado.

 

A inovação de ruptura pode tornar irrelevante negócios e empresas. Um exemplo é a substituição das máquinas de escrever, por computadores pessoais. Empresas como a Olivette – fundada em 1908, deixaram de existir ou foram adquiridas por outras companhias, tornando-se irrelevantes.

Inovação Incremental

Caracteriza-se por uma busca de aperfeiçoamento constante e gradual. Ela pode melhorar o desempenho dos seus produtos nas formas que realmente fazem a diferença junto dos seus clientes.

A inovação necessariamente na linha do tempo em algum momento precisará ocorrer em qualquer empresa e de qualquer tamanho. Isto porque para que os negócios possam crescer, evoluir e modernizarem-se as melhores práticas de gestão estão baseadas nos seguintes princípios:

  • “Ouvir” os clientes;
  • investir agressivamente em tecnologias que ofereçam aos clientes real satisfação das suas necessidades;

Hoje, estamos na “Era do cliente”. Isso significa pensar não no que queremos vender para nossos clientes, mas identificar e trabalhar a melhor maneira de saber o que e como o nosso cliente quer consumir.

Atualmente, a transformação digital não é um passo distante, é um fato. Mas sobre isso falaremos nas próximas publicações.

Bom Ano Novo, e boas vendas!

 

By : Consultor Moltrio /janeiro 17, 2018 /Sem categoria /0 Comment

Achou esta informação útil? Deixe um comentário abaixo, queremos saber a sua opinião.

Comments are closed.